06 Mar

A pressão dos municípios da parte Alta do Vale do Taquari surtiu efeito e mobilizou a Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat) a marcar uma reunião com representantes do Governo do Rio Grande do Sul, a fim de incluir a rodovia ERS-332 no plano de concessões. O encontro, realizado na quarta-feira, 4 de março, em Estrela, reuniu 30 prefeitos da região. 

De acordo com o presidente da Amvat e prefeito de Colinas, Sandro Hermann, uma audiência com o secretário extraordinário de Parcerias, Leonardo Busatto, deverá ser agendada nas próximas semanas. O objetivo é se viabilizar junto ao Estado as demandas de prefeitos da região, sobretudo do grupo da parte alta do Vale, descontente com o esquecimento da rodovia.

A expectativa é de que o edital para leilão das estradas seja publicado em abril. A previsão é de que o certame ocorra entre os meses de julho e agosto. Atualmente, o estudo de viabilidade aponta que as rodovias contempladas com as concessões serão as ERS-128, 129 e 130, além da RSC-453. Agora, a meta é colocar a ERS-332 na jogada. Caso não haja possibilidade, a Amvat deve buscar outras alternativas que viabilizem a concessão. "Vamos buscar a inclusão. Quem sabe, com investimentos num segundo momento. Se conseguir agora, ótimo", pontua Hermann.

Pela parte Alta do Vale, o prefeito de Anta Gorda, Xico Frighetto, presidente do chamado "G-18", festejou a decisão. Ele acredita que, a partir de agora, há possibilidade de entendimento sobre a necessidade de colocar a ERS-332 no bloco. “Pedi para se colocarem no nosso lugar. O que fariam com uma estrada sem trafegabilidade, pagando a maior tarifa do Estado? Eles entenderam o nosso problema. Ganhamos terreno”, diz Frighetto. 

Apesar do avanço, o prefeito de Encantado, Jonas Calvi, não descarta a construção de um desvio na ERS-130. A medida é a última alternativa, caso não ocorram alterações no edital de concessões. “Se não tivermos união enquanto região, vamos fazer este desvio. Temos apoio da comunidade para isso”, garante. o gestor.

Contrário à inserção do trecho, o prefeito de Lajeado, que estuda a possibilidade de concorrer a deputado estadual, questionou sobre o agendamento de uma nova reunião com o governo. No entendimento de Marcelo Caumo, caso a licitação não ocorra este ano, há possibilidade da região perder os investimentos. “Vamos dar sequência ao processo ou exigir mais estudos? Se a licitação não ocorrer este ano, dificilmente será feita ano que vem", disse. 


Comentários
* O e-mail não será publicado no site.