24 Nov

Uma criança de dois anos morreu afogada em uma piscina na casa onde residia, no bairro Cristo Rei, em Estrela. O fato ocorreu na tarde de terça-feira, 23, quando a criança teria caído na água. Segundo informações apuradas, a menina estava assistindo televisão, quando acabou saindo do espaço e indo em direção à piscina. 

O pai da criança chegou a socorrer a menor e tentou reanimá-la. A menina foi socorrida e encaminhada inconsciente ao Hospital Estrela, porém, não resistiu.

Dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa) são alarmantes: a cada 92 minutos, um brasileiro morre afogado; 52% das mortes estão na faixa de 1 a 9 anos idade e ocorrem em piscinas e residências; 70% dos óbitos são registrados em rios e represas; 44% ocorrem no verão (de dezembro a março), e mais de 90% das mortes acontecem por ignorar os riscos, não respeitar limites pessoais e desconhecer como agir.  

 Dicas para redobrar o cuidado

  1. Não deixe objetos espalhados que possam causar quedas perto da borda da piscina.
  2. Não deixe as crianças sozinhas na piscina, mesmo que saibam nadar. Elas sempre devem estar acompanhadas e ser supervisionadas por um adulto
  3. Instale equipamentos de segurança como grades de proteção e botão de emergência, principalmente em ambientes frequentados por crianças.
  4. Não confie 100% em boias, pois elas podem trazer uma “falsa” sensação de segurança. Dependendo do tamanho do acessório, da idade da pessoa e das habilidades aquáticas, pode-se virar o corpo com a cabeça submersa ou em decúbito ventral e não conseguir “desvirar”.
  5. Converse sempre com as crianças para respeitar as regras da piscina.
  6. Além dessas dicas, é importante lembrar que, no verão. normalmente chove bastante. Por isso, as piscinas descobertas devem ser evitadas nesses dias, já que os elementos químicos presentes na água são condutores elétricos e podem colocar a vida em risco com a queda de raios.

11 cuidados básicos e regras para evitar acidentes:

  1. A criança sempre deve estar acompanhada e ser supervisionada por um adulto. Irmãos mais velhos não podem ser responsáveis pelos mais novos.
  2. Não permita que a criança brinque ou nade perto de ralos ou drenos de sucção.
  3. Lembre-se de que a participação das crianças em aulas de natação diminui o risco de afogamentos.
  4. Nunca confie num flutuador.
  5. Converse sempre com seus filhos sobre os riscos de piscina, praias ou represas.
  6. Retire os brinquedos da piscina e do seu entorno após o uso.
  7. Se tiver uma piscina em casa ou no sítio é recomendado que ela tenha uma espécie de cercado para evitar o acesso das crianças.
  8. Não permita que as crianças se empurrem perto da borda da piscina.
  9. Oriente as crianças a andar ao redor da piscina (e não correr neste ambiente).
  10.  Antes de a criança entrar na piscina, verifique se ela está se sentindo bem.
  11.  Conheça a profundidade da piscina antes da criança entrar ou mergulhar nela.
Comentários
* O e-mail não será publicado no site.