10 Feb
Falta de apoio pode provocar saída de Encantado e Muçum da Amvat

Pelo menos dois municípios da parte alta da região cogitam deixar a Associação de Municípios do Vale do Taquari (Amvat). Os prefeitos de Encantado, Jonas Calvi, e Mateus Trojan, de Muçum, criticaram a nova versão do plano de concessão das rodovias apresentado pelo governo do Estado, na quarta-feira, 9 de fevereiro. Sem apoio da maior parte dos municípios para tentar mudar o local da praça de pedágio que fica na ERS-130, dividindo a cidade de Encantado, os gestores apresentaram descontentamento após a reunião.

O prefeito de Encantado, Jonas Calvi, criticou, durante entrevista à Rádio A Hora de Lajeado, a passividade dos demais membros do grupo ao conhecerem as intenções no novo plano de concessão. Segundo ele, lideranças de outros municípios próximos de Encantado, não esboçaram nenhuma reação para mudar os rumos das negociações. Calvi esperava que prefeitos de Estrela, Lajeado, Teutônia e Arroio do Meio apoiassem a ideia. “Não houve nenhum município que defendeu a região alta”, salienta.

Conforme Calvi, a defesa de outros municípios é de que sem os investimentos previstos, o potencial turístico da região seria enfraquecido. No entanto, ele salienta que a maior parte dos locais para exploração turística hoje, ficam na região alta do Vale. "O turismo do Vale do Taquari está mais voltado à região alta do que nunca, com a construção do Cristo Protetor, o Viaduto 13 e os museus", ressalta.

Segundo o prefeito de Muçum, Mateus Trojan, o Vale do Taquari está visivelmente dividido, a partir do momento em que não trata da mesma forma as pautas de interesse regional. “Cogitamos a saída da Amvat. A partir do momento que uma associação regional não trata as demandas da região como um todo temos que repensar nossa participação”, afirma.

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.